terça-feira, 31 de julho de 2018

Como silenciar palavras no Twitter

Acontece de você seguir pessoas ou outros perfis no Twitter que você gosta de acompanhar, mas que determinados assuntos comentados prefere não ver passando na sua TL, como em época de Carnaval ou BBB, por exemplo, que para quem não se interessa por essas coisas termina vendo a sua timeline inundada por esses assuntos. Mas tem uma forma de resolver isso, bastando silenciar as palavras. Você não estará silenciando um perfil, e sim uma palavra, e toda vez que algum perfil que você seguir usar aquela palavra o tweet que a conter não aparecerá para você, mas os outros aparecerão normalmente. Para fazer isso siga os passos:

No Android:

1º – Deslize a barra lateral e selecione “Configurações e privacidade”.

1 - Configurações e privacidade

2º – Selecione a opção “Privacidade e segurança”.

2 - Privacidade e segurança

3º – Selecione “Palavras silenciadas”.

3 - Palavras silenciadas

4º – Aperte no botão de “+”.

4 - Botão de

5º – Digite a palavra que você quer silenciar. Pode ser uma hashtag. Coloque apenas uma palavra por vez, senão o Twitter entenderá como uma frase. Você tem a opção de silenciar a palavra apenas na timeline da página inicial, apenas nas notificações ou nos dois. Eu recomendo que seja apenas na timeline da página inicial, porque se alguém falar com você por menção e colocar a palavra que você silenciou, você não receberá aquela notificação (a não ser que seja esse o seu objetivo).

5 - Digite a palavra

Mais abaixo você pode dizer por quanto tempo você quer que a palavra continue silenciada. Por padrão ela já vem com a opção “Para sempre” marcada, mas você pode colocar por algum tempo determinado se quiser. Depois aperte em “Salvar”, na parte superior.

Na web

1º – Na página inicial do Twitter, clique em cima da sua foto na barra superior, e depois em “Configurações e privacidade”.

1 - Clique em Configurações e privacidade

2º – Na página que abrir você verá na parte esquerda um menu de opções. Clique em “Palavras que foram silenciadas”.

2 - Clique em Palavras que foram silenciadas

3º – Clique em “Adicionar”.

3 - Adicionar

4º – Depois digite a palavra que você quer silenciar, uma por vez (ou seja, para silenciar outra palavra precisará fazer esse procedimento de novo, senão o Twitter poderá entender como uma frase). Você ainda tem algumas opções, como escolher se os tweets que usam aquela palavra serão silenciados apenas na sua timeline ou também nas notificações, e o tempo em que a palavra ficará silenciada, podendo ser para sempre ou por algum tempo específico. Depois clique em “Adicionar”.

4 - Adicionar

segunda-feira, 4 de junho de 2018

O que é o erro 500 e como corrigi-lo

Erro 500

O Erro 500 aparece em navegadores ainda com frequência, acompanhado da mensagem “Internal Server Error”. Porém, é um status temporário, de fácil correção.

Não há um motivo específico para ocorrer, ele não é visível para o público ou programador e essa acaba sendo a mensagem escolhida quando ocorre alguma má interpretação de leitura dos dados a serem processados.

Apesar de ser temporário, as configurações do site devem ser verificadas, pois uma vez que há diferentes motivos para a falha, deve-se fazer os reparos necessários.

Quer saber as causas e soluções para o Erro 500 no seu site Wordpress? Acompanhe abaixo!

Por que ocorre o erro 500?

Mesmo que a mensagem tenha sido temporária e o site tenha entrado normalmente com um recarregamento, acesse o site com seu login para verificar se há erros nas configurações.

  1. Permissões de acesso devem ser verificadas, pois podem ter restrições, causando a mensagem de erro interno na tela.

  2. A quantidade de visitas no site também pode ser um dos motivos para a mensagem de erro. Nesse caso, a mensagem pode durar por mais tempo, caso a memória do site seja baixa.

  3. É normal que plugins apresentem erros diferentes em sites. Muitas vezes é preciso apenas atualizar ou desabilitar algum plugin para que o site volte ao normal.

  4. O Wordpress está em constante crescimento, logo atualizações feitas recentemente, mesmo mudança de temas, inclusão de arquivos e mídia, também pode ser motivo para o Internal Server Error.

Como descobrir qual plugin pode causar o erro?

Desative plugin por plugin do seu Wordpress, e a cada desatualização, tente entrar novamente no site. Essa é a forma de você saber qual plugin pode estar causando o erro internamente.

Em caso se achar o plugin com erro, procure se há alguma atualização para ele que você deixou passar despercebido. Você também pode procurar outro plugin que cumpra a mesma função, e que exija menos espaço do site.

Especialmente se for o plugin Wordpress SEO, que é essencial para o bom rankeamento do site nos buscadores da Internet.

Também verifique se o tema que você utiliza no momento pode ser o responsável. Temas muito pesados exigem espaço. Mude para um tema com um tamanho menor.

Mas fique atento, pois manter um site com a desabilitação total de plugins não é uma boa ideia. Muito pelo contrário!

Os usuários buscam por boas e completas experiências em navegação na web e o profissionalismo do seu trabalho e a imagem da sua empresa, também passa pela forma como você se comunica com seu cliente na Internet.

Como corrigir o Erro 500?

Antes de tentar alterar as configurações, precisamos ressaltar a importância de fazer backup do seu site com as configurações que se encontram no momento, para evitar que a complicação fique maior ainda.

Como dito acima, as permissões de acesso devem estar devidamente configuradas de acordo com as regras de programação do servidor. Ficou confuso? Vamos explicar algumas formas de corrigir o erro.

1ª forma

Acesse o gerenciador de arquivos por meio do seu login de acesso, e procure o arquivo htaccess.

Encontre o arquivo htaccess, e o renomeie. Teste novamente o site, e se voltar a funcionar, as configurações de programação anterior provavelmente estavam com algum erro de linguagem. 

2ª forma

O Wordpress costuma utilizar a linguagem php, uma das mais versáteis para o desenvolvimento web.   

Se o seu php está desatualizado, o site pode gerar o Erro 500, já que alguns plugins e mídias podem exigir uma nova versão de programação. Por isso, sempre mantenha a última versão php apresentada no painel de controle do php.

3ª forma

Lembre-se de aumentar o número da memória do seu site, na configuração php do arquivo htaccess, ache a linha correspondente a “value” e aumente o limite de memória.

Após você ter a certeza da origem do Erro 500 — Internal Server Error, é recomendado fazer mais um backup dessa última atualização do site em Wordpress.

Como ficar sabendo de erros?

O Wordpress tem em suas funções o recurso atual de aviso de erros nas configurações. Assim o administrador pode solucionar o problema com mais rapidez e mais exatidão.

Para ativar esse recurso, vá até as configurações, em “wp-config” e ative os recursos que estão nomeados como “display_errors” e “wp_debug”.

Esses recursos ativos apontarão onde exatamente está algum erro (se em plugin, em linguagem php, em temas ou alguma desatualização do site e configurações).

Conclusão

Se você tentar todas as configurações acima, e mesmo assim o erro persistir, ou se mesmo uma vez corrigido, ele é constante, é hora de pedir ajuda ao suporte da sua hospedagem de site.

Entre em contato com a empresa de hospedagem do seu site, verifique se há alguma instabilidade no servidor e quando vai se normalizar.

Peça o auxílio remoto do suporte do servidor, em caso se ainda ter instabilidade com o Erro 500. Essa é uma falha que não pode esperar muito tempo para ser resolvida.

*Publieditorial

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Como visualizar perfis de pessoas no LinkedIn de modo privado

Sempre que alguém visita o seu perfil do LinkedIn você é notificado de que ele visitou o seu perfil. Da mesma forma, as pessoas que você visualiza o perfil também são notificadas. Isso faz sentido levando em consideração que o LindedIn é uma rede social profissional, que tem o objetivo de dizer que o seu currículo, que é o seu perfil, está recebendo o interesse de outras pessoas (talvez algum potencial recrutador). Mas essa funcionalidade pode se tornar constrangedora quando você visitou o perfil de alguém só por curiosidade e a pessoa recebe aquela notificação que lhe entrega, dizendo que alguém estava lhe stalkeando. Essa é uma configuração padrão do LinkedIn, mas tem como mudá-la, bastando seguir os passos abaixo:

1º – Depois de logado no seu LinkedIn, clique em cima da sua foto, onde tem escrito “Eu”, e depois clique em “Configurações e privacidade”.

1 - Clique em Configurações e privacidade

2º – Na página que abrir clique na aba “Privacidade” e role para baixo, até achar a configuração “Opções de visualização de perfis”. Clique nela.

2 - Opções de visualizações de perfis

3º – Aparecerão três opções. A primeira opção é a marcada como padrão, que mostra sua foto, seu nome e seu título. Para ver os perfis das outras pessoas em modo privado existem duas opções. A primeira opção, chamada de “Características de perfis privados”, esconde o seu nome e sua foto, mas não deixa seu perfil totalmente privado e ainda mostra algumas informações suas, como a instituição de ensino onde você estudou, a empresa que você trabalha e o cargo que ocupa. A segunda opção é o “Modo privado”, que esconde tudo sobre você, o que quer dizer que a pessoa que você visitou o perfil receberá uma notificação dizendo que o perfil dela foi visitado por um usuário anônimo do LinkedIn. Escolha qual opção você achar melhor para você.

3 - Escolha uma opção

4º – Depois é só fechar essa aba, que a sua configuração já foi salva automaticamente.

O LinkedIn também avisa que ao fazer qualquer uma das escolhas que escondem sua identidade, você também deixa de receber as notificações das pessoas que viram o seu perfil, e as notificações que você já recebeu serão excluídas. É uma troca justa, mas se você ainda quer saber quem viu o seu perfil, pense bem nisso.

Observação: na versão Premium ainda é possível ver quem visitou o seu perfil mesmo que você tenha escolhido o “Modo privado” ou o “Características de perfis privados”.

sexta-feira, 25 de maio de 2018

Como bloquear alguém no Facebook

É fácil bloquear alguém no Facebook. Mas vale lembrar que ao bloquear alguém você também estará excluindo ele da sua lista de amigos. A pessoa não será notificada, mas se um dia ela tentar entrar em seu perfil, não irá conseguir ver suas postagens, e então saberá que foi bloqueada. Além de não poder ver as suas postagens, ela também não poderá mandar convite para você novamente. Se mesmo assim você quiser bloquear alguém no Facebook siga os passos abaixo:

1º – Entre no perfil do desafeto, e clique no botão dos três pontinhos (pode ser uma pessoa que está adicionada como um amigo ou não).

1 - Clique nos 3 pontinhos

2º – Clique em “Bloquear”.

2 - Clique em Bloquear

3º – Aparecerá um aviso falando o que acontecerá se você bloquear aquela pessoa. Leia tudo, e se tiver certeza que é isso mesmo o que você quer fazer clique em “Confirmar”.

3 - Clique em Confirmar

4º – Depois clique em “OK”. A pessoa já estará bloqueada.

Caso queira você pode desbloqueá-la depois, repetindo o passo 1 e 2, com a diferença de que aparecerá a opção “Desbloquear”.

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Como receber do Adsense

Primeiro antes de tudo, você deve ter uma conta no Banco Rendimento. Você abre a conta online gratuitamente. Na verdade, não é uma conta de verdade (uma conta-corrente), mas apenas um cadastro no site com seus dados para serem usados especificamente nessa operação do Adsense. O cadastro é feito por e-mail, e você deve enviar seus documentos e os dados da sua conta do banco onde você deseja receber o dinheiro. Se você nunca ouviu falar no Banco Rendimento, não se preocupe, é um banco confiável, sempre usei ele e nunca tive problemas (assim como vários outros blogueiros). Ele desconta apenas 20 dólares do seu dinheiro para fazer a conversão e depositar o valor na sua conta corrente ou poupança, sem ser preciso descontar mais nada. Isso é até barato se comparado às taxas dos grandes bancos. Na primeira vez que recebi dinheiro do Adsense cometi o erro de colocar nas configurações do Google Adsense uma conta universitária que tinha no Santander. Tive que ir no banco várias vezes, tive que levar várias papeladas, a gerente não sabia fazer procedimento de câmbio e sempre ficava ligando para outro setor na central para poder fazer os procedimentos, e sempre que ela fazia a solicitação para que o dinheiro fosse liberado na minha conta (porque o Google já tinha enviado), a central não aceitava porque o carimbo estava claro (sério, isso mesmo!). Veja a burocracia. Eu ia para a agência um dia sim um dia não para resolver isso, e demorou quase um mês para ter o dinheiro liberado. E no fim ainda descontaram R$ 90,00 de taxa fora os impostos. Depois que conheci o Banco Rendimento nunca mais tive problemas como esse. Não tem burocracia, você simplesmente abre a conta com eles, usa os dados deles nas configurações do Google Adsense, e pronto. Quando você solicitar o seu pagamento no painel do Google Adsense, ele será enviado ao Banco Rendimento, que em dois dias fará a conversão e depositará o seu dinheiro na sua conta sem que você precise se preocupar com mais nada. Acesse aqui o site do Banco Rendimento. Na página deles tem explicações detalhadas de como funciona.

Agora vamos aos passos:

1º – Na página do Google Adsense, clique em Pagamentos. Depois clique em “Gerenciar forma de pagamentos”.

1 - Clique em Gerenciar formas de pagamento

2º – Clique em “Adicionar forma de pagamento”.

2 - Clique em Adicionar forma de pagamento

3º – Será aberta uma janela para você preencher os dados.

3 - Preencha os dados

  • Em “Nome na conta bancária” coloque o seu nome do mesmo jeito que está no seu banco. Se colocar diferente é capaz de dar erro e você não receber seu dinheiro.
  • Em “Nome do Banco” coloque Banco Rendimento S/A
  • Em “SWIFT (BIC)” coloque o código SWIFT BIC do Banco Rendimento, que é RENDBRSPXXX (confirme essa informação no site do Banco Rendimento)
  • Em “IBAN” e “Digite novamente IBAN” coloque o código IBAN do Banco Rendimento, que pode ser obtido nessa página, acessando através do seu CPF ou CNPJ (caso você tenha se cadastrado como pessoa jurídica).

Os outros campos não precisa preencher.

4º – Clique em Salvar.

5º – Caso essa seja a primeira vez que você faz essa configuração no Adsense, vá para o passo 6. Caso você já tenha feito outra configuração de pagamento para outro banco, será necessário excluí-la.

6º – Depois disso você não precisa fazer mais nada. Se você já estiver com os US$ 100,00 mínimos, o Google fará o pagamento automaticamente para a conta que você cadastrou (que é a conta do Banco Rendimento, que enviará para a sua conta pessoal). Caso você não tenha atingido o valor mínimo ainda, terá que esperar, e assim que atingir o valor o pagamento será feito. Você também pode reter o pagamento, que é uma forma de bloquear esse pagamento automático para que você receba um valor maior. Caso você tenha atingido o valor mínimo, verifique se o seu pagamento está retido (quando está retido ele mostra uma mensagem em vermelho na tela “Pagamentos”. Se não apareceu para você, é porque não está retido e o pagamento será feito).

sábado, 31 de março de 2018

Como bloquear alguém no Twitter

Ao bloquear alguém no Twitter você deixará de receber os tweets daquela pessoa e não receberá mais as menções que ela fizer a você. Da mesma forma, ela não poderá mais ver os seus tweets e nem conversar com você pelas Mensagens (DM). Se vocês seguem um ao outro, esse vínculo também será desfeito. Caso você desbloqueie essa pessoa terá que segui-la de novo (e ela seguir você de novo também, caso queira lhe acompanhar novamente). Para bloquear alguém no Twitter siga esses passos:

1º – Entre no perfil da pessoa que você quer bloquear e ao lado do botão “Seguindo” (caso você não siga a pessoa o botão será o “Seguir”) clique nos três pontinhos.

1 - Clique nos 3 pontinhos

2º – Será aberta as opções. Clique em “Bloquear”.

2 - Clique em Bloquear

3º – Aparecerá uma mensagem de confirmação. Clique em “Bloquear”.

3 - Clique em Bloquear

Pronto, depois disso a pessoa estará bloqueada. Para desbloquear ela basta seguir esses mesmos passos, mas no passo 2 aparecerá a opção “Desbloquear” ao invés de “Bloquear”.

sexta-feira, 30 de março de 2018

O Google Home tem utilidade?

Google Home

Atenção: este é um artigo de opinião pessoal, onde falo as minhas impressões sobre o Google Home e outras assistentes virtuais baseado apenas em reviews, vídeos e comentários de pessoas que têm um desses dispositivos em casa. Nunca usei ou testei nenhum deles, por isso as minhas opiniões nesse texto são impressões pessoais de quem nunca usou, e não opiniões com o objetivo de cravar algo como verdadeiro ou falso, bom ou ruim. Inclusive posso mudar de opinião no futuro quanto a esse tema.

Esses dias vi uns reviews que saíram do HomePod. Então fiquei curioso para ver os reviews do Google Home, para ter uma comparação (apesar do HomePod ser considerado pela própria Apple como uma caixa de som, e não como um assistente virtual para a casa). Enquanto pesquisava, vi que o Google Home pode fazer várias coisas legais, como acender e apagar as luzes, mudar a cor delas, tocar uma música que você pediu, ligar a sua TV num vídeo do YouTube ou numa série ou filme da Netflix. Dá também para pedir para ela ler as últimas notícias, ver o clima, o trânsito, a sua agenda, colocar um alarme para você se acordar. Dizem que dá até para programar para ela lhe levantar mais cedo caso perceba que está tendo um engarrafamento no seu caminho para o trabalho. Tudo isso através daquela caixinha, e tudo comandado por voz.

São coisinhas bem legais. Mas depois fiquei pensando, nada disso é realmente necessário para alguém. É só legal você dizer: “Ok Google, turn on my lights” (ela só funciona em inglês e outras poucas línguas por enquanto), mas será que seria trabalhoso você ir lá no interruptor e ligar a luz você mesmo? Eu tenho uma desconfiança de que talvez isso não funcione direito e você fique que nem um bobo falando sozinho pela casa pedindo para o Google Home fazer algo. Digo isso porque fazer o Google Now entender alguma coisa no celular não é fácil. Eu ainda não tenho acesso ao Google Assistent pelo celular, porque o meu Android é o 5.0, mas acredito que não seja muito diferente. Uma vez tentei adicionar um evento no calendário pelo Google Now através de voz e vi que alguns campos para preencher não estavam disponíveis. Então deixei para lá e fui eu mesmo colocar o evento no calendário manualmente. Outra coisa que acontece muito: quando tento fazer uma pesquisa por voz no Google Now nem sempre ele digita o que eu disse corretamente, então eu tenho que ficar repetindo. Ficar repetindo algo é um incômodo, não tenho paciência, então desisto e vou lá no Chrome e digito eu mesmo o que eu quero pesquisar. Será que com o Google Home isso também não acontece? Eu fico imaginando situações em que o Google não entenda o que eu quero dizer e no fim de tudo eu mesmo vou ter que ir até o interruptor e ligar ou desligar a luz, e o Home terminar virando um mero enfeite.

Outro ponto é que nos Estados Unidos e nos outros países onde o Google Home é vendido oficialmente talvez faça mais sentido ter um do que aqui no Brasil. Lá nos Estados Unidos as assistentes virtuais para casa é um produto que está caindo no gosto das famílias. O Google diz que vende mais de um Google Home por segundo desde que lançou o Google Home Mini, uma versão menor e mais barata do Google Home, mas que faz as mesmas coisas da versão mais cara, e uma outra estatística diz que cerca de 70% das assistentes virtuais vendidas nos Estados Unidos são as da Amazon Echo, que vem com a Alexa. Dizem que lá nos Estados Unidos a Alexa é muito mais completa e compatível com outros equipamentos do que o Google Home, e que ela pode até te ajudar na hora de fazer uma compra na Amazon. Aqui no Brasil isso não faz diferença, primeiro porque os produtos compatíveis com o Echo e com o Google Home só vendem em outros países e você teria que importar, e segundo porque no caso da Amazon do Brasil, poucos produtos são vendidos aqui. Parece que no Brasil vale mais a pena ter um Google Home do que uma Alexa, porque o Google Assistent pelo menos entende onde você está, para dar o clima da sua cidade por exemplo, ao invés de dar a de uma cidade qualquer dos Estados Unidos como a Alexa faz. Nos Estados Unidos ainda dá para controlar a temperatura do termostato através dessas assistentes. No Brasil como não usamos aquecedores não precisamos disso. Como dá para ver, as opções de uso são maiores lá fora.

Outra coisa que me incomodou é que você pode pedir para o Google Home fazer uma pesquisa de vídeo no YouTube ou abrir um filme da Netflix na sua televisão, mas para isso funcionar você precisará ter um Chromecast na sua TV. Até aí tudo bem, mas então você lembra que o Chromecast só funciona através do seu celular. Isso quer dizer que ao pedir para o Google Home exibir um vídeo do YouTube ou filme da Netflix na sua televisão, o que ela estará fazendo na verdade é enviando o comando para o seu celular, para que ele envie o comando para o Chromecast que está conectado na sua televisão. Eu não estou certo se é realmente assim que funciona. Tentei pesquisar se o Google Home precisa do celular conectado na mesma rede para funcionar, mas não encontrei nada sobre isso. Mas se for assim, não gostei porque se o seu celular descarregar, o que acontece? Você perde funcionalidades? Acho um erro você criar um sistema inteligente para a sua casa que centralize tudo no celular. Celulares descarregam. É o mesmo mal do WhatsApp Web.

Nesse caso não seria melhor você comprar uma box com Android TV ou uma Apple TV e apertar alguns botões no controle para achar o vídeo ou filme que você quer? Pelo menos esses aparelhos não são dependentes de nenhum outro e estarão lá quando você precisar.

No fim o Google Home e Amazon Echo são dispositivos legais que você pode ter em casa se for uma pessoa que gosta de tecnologia e tem algum dinheiro sobrando. As assistentes em si nem são tão caras, mas os produtos que você precisará ter para usar com elas são. As luzes inteligentes da Phillips por exemplo tem preço de R$ 1.300,00, com 3 lâmpadas na caixa. É um brinquedinho legal, que você vai brincar no começo e depois pode achar chato e deixar para lá, assim como você faz com a assistente pessoal do seu celular na primeira vez que usa (ou não).

Acessei a lista de dispositivos compatíveis com o Google Home e existem vários. Dei uma olhada em dois: em uma campainha inteligente com câmera, que se conecta ao celular do dono sempre que alguém toca nela, dando para ver quem é de onde o dono da casa estiver, e em uma trava inteligente para a porta, que destranca sozinha quando você está perto de casa e tranca sozinha quando você sai, sem precisar usar a chave em momento nenhum, apesar de ser possível usá-la também. Perceba que as duas precisam do celular para funcionar. A campainha manda uma notificação para o seu celular quando alguém chega e você pode ver quem está do lado de fora e pode até falar com ela (a pessoa irá escutar apenas a sua voz). A trava na porta irá destrancar quando você estiver perto de casa através do sinal do seu celular. Descarregou o celular? Acabou a casa inteligente. Esse é o erro de centralizar tudo no celular. Mas os produtos são legais, eu gostei deles, são úteis. Nem sabia que poderiam existir produtos assim. Mas e onde entra o Google Home nisso? Então, primeiro, para cada um desses produtos você tem que instalar um aplicativo no seu celular, então não necessariamente você precisa de um Google Home para fazê-los funcionar na sua casa. O Google Home vai servir para você perguntar: “Ok Google, a minha porta está trancada?” (em inglês, claro). Então o Google Home vai acessar o seu aplicativo para descobrir isso e dizer a você. Você mesmo poderia ir no aplicativo do seu celular e checar. Você também pode pedir para o Google Home trancar a porta (mas não destrancar), da mesma forma como você poderia fazer no seu celular. No caso da campainha você pode pedir para o Google Home mandar a campainha tirar uma foto ou gravar um vídeo da pessoa que está do lado de fora, mas isso também dá para fazer pelo aplicativo da campainha que você baixou no seu celular. Achei essas funções bem limitadas. Você pode dizer: “Ah, mas eu posso estar cheio de coisas na mão, ou simplesmente com preguiça de pegar o celular, então é mais fácil falar”. Aonde chegaremos se continuarmos assim? Em cima de cadeiras que andam sozinhas e nos levam para onde a gente quer para evitar o nosso esforço de andar, como em Wall-E?

Sabe, eu adoraria ter um assistente pessoal que fizesse tudo para mim. Mas eu digo tudo mesmo, como o Jarvis do Homem de Ferro. Aquilo sim é legal. Ele é inteligente, interage com a naturalidade de uma pessoa de verdade e tem personalidade. Acho que um dia a gente chega lá, e essas assistentes virtuais da atualidade são um primeiro passo para um dia chegarmos naquele nível de inteligência. Mas você pedir coisas bestas a uma assistente, coisas que você mesmo poderia fazer e não faz simplesmente porque está com preguiça ou com a mão cheia de coisas? Isso já é demais. Coloque suas coisas no chão e faça o que tem que fazer.

Quando as assistentes virtuais não existiam ninguém sentia falta de um aparelho que fosse capaz de ver se a sua porta estava trancada ou que acendesse a sua luz. Todo mundo se virava e vivia normal, porque essas não são coisas difíceis da vida. É fácil colocar suas coisas no chão e destrancar a porta para entrar na sua casa, é fácil apertar no interruptor e acender a luz, é fácil ver se sua porta está trancada. Isso não deixava a vida de ninguém mais complicada, mas agora estão criando necessidades que não existiam antes. É aquela história que Steve Jobs dizia: “As pessoas não sabem o que querem até você mostrar a elas”. Mas acho que falta definir bem o que é necessidade né? Porque hoje em dia tudo é uma necessidade de consumo. Você não precisa daquilo realmente, você quer apenas consumir e mostrar o quanto você é legal por ter aquilo.

Não vou ser exagerado e dizer que as assistentes virtuais não servem para nada. Ela tem lá as suas utilidades. Ainda são limitadas, mas são legais. Acho até que elas são mais úteis que um smartwatch, por exemplo, que não passa de um celularzinho de pulso que serve para mostrar as notificações do seu celular que está bem ali no seu bolso, porque ele só funciona perto de um celular, não tem autonomia.

Tô falando dos pontos negativos das assistentes virtuais nesse texto, mas também não é como se eu nunca na vida vou comprar uma. Como eu disse mais acima, isso é como um brinquedo para quem tem dinheiro sobrando para gastar. E se você é uma pessoa que gosta de tecnologia, tem dinheiro sobrando e quer um brinquedo tecnológico, o que lhe impede de comprar? Qual é o problema? Se você tem dinheiro sobrando pode fazer o que quiser. Só não gosto das justificativas que as pessoas criam para dizer que precisam de uma assistente virtual em casa, porque, sério, ninguém precisa disso. Pelo menos não nos dias de hoje, pelo menos não com a limitação dessas assistentes de hoje. No futuro, com o avanço das coisas, aí eu já não sei, talvez se torne mais comum, talvez se torne mais verdadeiramente útil.

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Como bloquear alguém no WhatsApp

A função de bloquear no WhatsApp é útil quando você não quer mais receber mensagens de determinada pessoa. Ao bloquear alguém, a pessoa não será notificada, e poderá continuar enviando mensagens para você, mas elas não serão entregues. Ela também não poderá fazer chamadas para você, não poderá visualizar o seu visto por último e nem a atualização do status e da sua foto. Apesar da pessoa não ser notificada, ela poderá perceber, através desses efeitos, que ela foi bloqueada por você. Para bloquear alguém no WhatsApp siga os passos:

1º – Abra o WhatsApp da pessoa que você quer bloquear e aperte do botão dos três pontos.

1

2º – Selecione “Mais”.

2

3º – Aperte em “Bloquear”.

3

4º – Vai aparecer uma mensagem de confirmação. Aperte em “Bloquear”.

4

5º – Depois disso o seu contato já estará bloqueado. Você poderá ver que nos seus contatos do WhatsApp (que você pode acessar apertando naquela bolinha verde que fica no canto inferior direito da tela principal do WhatsApp) a pessoa bloqueada aparecerá com o nome mais claro que os demais e com uma mensagem embaixo dizendo como desbloquear. Caso deseje desbloquear a pessoa, basta selecionar o contato, apertando e segurando em cima dele, e depois aparecerá a opção “Desbloquear”.

5

Caso você queria se livrar de vez da pessoa a ponto de nem querer ver o seu nome nos contatos do WhatsApp, basta excluir o contato dela do seu celular (na sua agenda) e a sua conversa com ela no WhatsApp.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Como recuperar arquivos excluídos de pendrive

Se você excluiu um arquivo importante do seu pendrive sem querer e quer recuperá-lo, ainda existe uma esperança. Não é garantido, mas pode funcionar. Esse tutorial também serve para recuperar arquivos excluídos de HD externo e cartão de memória, e para arquivos excluídos permanentemente do computador. É só seguir os passos:

1º - Baixe o Wondershare Data Recovery clicando aqui e depois instale-o no seu computador.

2º - Ele é um programa pago, então ele pedirá um registro. Clique aqui para baixar o registro. Depois disso o programa estará ativado e pronto para usar.

3º - Na tela que aparecer, clique em "Seguinte".


4º - Depois escolha qual tipo de arquivo você quer recuperar. Caso queira recuperar todos os arquivos perdidos e eles sejam de vários tipos e formatos, escolha "Todos os arquivos". Depois clique em "Seguinte".


5º - Agora você irá selecionar o lugar onde perdeu os arquivos. Escolha a primeira opção e depois clique em "Explorar", e escolha a pasta onde você perdeu os seus arquivos. Caso tenha sido no pendrive, HD externo ou cartão de memória, você pode selecionar o caminho dele por essa primeira opção mesmo (nos meus testes selecionei o meu pendrive através dessa opção).


6º - Escolha onde você quer que seus arquivos recuperados sejam salvos. No meu caso eu escolhi que os arquivos fossem salvos no próprio pendrive onde perdi os arquivos, mas você pode escolher outra pasta do seu computador. Depois que escolher clique em OK.


7º - Marque a caixa "Permitir Scan Profundo" para que você tenha mais chances de conseguir recuperar os seus arquivos e depois clique em "Iniciar".


8º - Depois disso o escaneamento começará e é só você esperar. Dependendo da quantidade de arquivos que você perdeu e do espaço da pasta ou pendrive que você selecionou, pode demorar um pouco. Comigo demorou cerca de meia hora.


9º - Depois que o escaneamento terminar você poderá ver na coluna da esquerda todos os arquivos que foram recuperados separados de acordo com o tipo e o formato. Clique em "Recuperar" no canto inferior direito para que ele salve esses arquivos no local que você escolheu no passo 6.


10º - A recuperação vai começar. Quando ela terminar você poderá ver os seus arquivos no local onde salvou.


Observação: talvez você não consiga recuperar todos os arquivos. Nos meus testes, a maioria dos documentos Word que eu tinha consegui recuperar perfeitamente, mas alguns foram recuperados apenas no nome, e quando eu abria ficavam aparecendo alguns caracteres estranhos. Outros davam erros ao abrir. Nesse caso não há o que fazer, o seu arquivo foi totalmente perdido.

Espero que esse tutorial tenha sido útil para você. Se gostou, deixe um comentário abaixo e compartilhe nas suas redes sociais!

 

Copyright @ 2011-2015 Fique Sabendo!.