sábado, 19 de abril de 2014

Resenha: A Menina que Roubava Livros (livro)

A Menina que Roubava LivrosTítulo Original: The Book Thief

Título Nacional: A Menina que Roubava Livros

Autor: Markus Zusak

Editora: Intríseca

Número de páginas: 480

Ano: 2005









A Menina que Roubava Livros vem com uma narração diferente, que é feita pela Morte. No começo achei estranho e assustador um livro ser narrado pela Morte, mas logo entendi o motivo pela qual Markus Zusak escolheu essa personagem nada comum para narrar a história de Liesel: a história se passa na Alemanha nazista, na época da Segunda Guerra Mundial, onde houve muitas mortes. Outro ponto que diferencia a narrativa deste livro das demais são as notas explicativas e descritivas presentes no livro inteiro. Por serem características que não estão presentes em outros livros, achei estranho no começo, mas logo me acostumei e passei até a gostar do estilo do autor em A Menina que Roubava Livros.

Gostei de A Menina que Roubava Livros justamente por causa da forma tão diferente e interessante que a história é narrada. Ela é cativante, lhe faz sempre estar com vontade de ler mais.

Lendo o livro vamos percebendo uma mudança de história, uma narrativa da vida de Liesel com seus pais adotivos e podemos até perguntar: “mas onde é que o autor quer chegar com isso?”. O autor sai descrevendo a vida da personagem principal em vários momentos e cenas, mas como será o fim dessa história, o que acontecerá? Foi pensando nisso que consegui obter a resposta.

Liesel tinha tudo para ser uma pessoa triste, depressiva, de mal com a vida. O seu pai era comunista e foi preso, o seu irmão morreu na viagem de trem, e sua mãe não tinha condições de sustenta-la sozinha e por isso deu ela para outro casal. A sua nova mãe é agressiva verbalmente e fisicamente. Liesel é sempre chamada de alguma coisa ruim por sua mãe adotiva, além das tapas que leva dela. Sem contar que neste momento a liberdade de expressão não existe na Alemanha, por causa do governo ditatorial de Hitler e, além disso, a Alemanha estava em guerra. O que quer dizer, a situação interna de Liesel não estava boa e o ambiente em que ela se encontrava também não era favorável. Ou seja, o que essa menina tem a comemorar? O que tinha de bom para fazê-la sorrir, ficar feliz, se sentir alegre? Ler livros. Ela queria aprender a ler e escrever e foi com ajuda de seu pai adotivo que ela foi vencendo cada obstáculo e conseguindo realizar o seu desejo de ler, e ler muitos livros. Essa virou a sua paixão.

A vida de Liesel, contada em A Menina que Roubava Livros, nos dá uma grande lição: de que apesar de todas as aflições da vida, ainda podemos ser felizes, ou pelo menos podemos ter uma alegria passageira. Podemos sonhar, e se corremos atrás desse sonho, nos esforçarmos e dar o nosso melhor, podemos realiza-lo, basta querer.

Nota:

Jóckisan

é pernambucano, e é estudante e blogueiro nas horas vagas. Gosta de estudar, ler livros, assistir a bons filmes e séries. Na internet gosta de ler notícias interessantes, tecnologia e TV. Também escreve no Mundo Geek.
comments powered by Disqus

 

Copyright @ 2011-2015 Fique Sabendo!.