segunda-feira, 13 de março de 2017

A falta de interação real nas redes sociais

Redes sociais
Acabei de ler um artigo/entrevista que o Exame fez com Orkut Büyükkökten, o criador da rede social Orkut. Lá ele fala que hoje em dia usar o Facebook e outras redes sociais se tornou uma experiência solitária.

Quando li essa declaração e parei para pensar percebi que ele estava certo. Isso é verdade. No Facebook e no Instagram, tudo é centrado em postagens do feed. O máximo que as pessoas fazem é curtir e comentar, mas não existe uma interação real. As pessoas estão mais preocupadas em postar fotos, se mostrar felizes, falar sobre suas vidas e ver memes para rir. É algo individualizado, que não estimula a interação. As pessoas olham o seu feed de notícias para ver como está a vida dos seus amigos e para sentir inveja ao verem como eles estão “felizes” numa festa ou numa viagem e você não. Para mostrar o seu novo emprego, as suas amizades, suas declarações de amor aos seus namorados e cônjuges em seus relacionamentos perfeitos. As redes sociais servem como um culto à imagem, culto ao corpo e à beleza, adoração à si mesmo. As pessoas tiram selfies a cada instante, em todo o momento e em todos os lugares, para se sentirem bonitas, poderosas, e para se verem e serem vistas.

Mas na época do Orkut era diferente. Existiam os recados, que todo mundo enviava para os seus amigos, ao invés de postagens no feed de notícias. Enquanto no Facebook você escreve no seu feed e ninguém se importa com nada, no Orkut os recados eram mais pessoais (mesmo que você enviasse uma imagem com glitter – a moda da época – para todos os seus amigos). Era mais interativo, você realmente sentia que estava se comunicando com outras pessoas. Depois o Orkut tentou copiar o Facebook nesse conceito do feed, mas não funcionou muito bem. Eu mesmo, antes de ter ido para o Facebook não tinha entendido a proposta do “novo Orkut”.

O Twitter é uma mistura. Se a pessoa é famosa, o Twitter é só mais uma vitrine para ela, ou só um redirecionador para o Facebook e Instagram, onde é muito mais legal se mostrar. Mas se você é uma pessoa comum e gosta de falar sobre um assunto específico, poderá achar pessoas com gostos parecidos com os seus e interagir com elas. Durante anos eu só postava coisas de tecnologia no Twitter e não conseguia uma interação legal com ninguém. Tinha poucos seguidores, o máximo que consegui foi 17, e fiquei estagnado assim durante muito tempo. Quando voltei a ler sobre televisão e comecei a comentar sobre isso lá, e a seguir pessoas que também comentavam sobre isso é que ficou legal. Demorou, mas aos poucos meu número de seguidores foi aumentando, e hoje eu posso tweetar algo e receber uma curtida ou ver uma pessoa me respondendo (coisa que raramente acontecia antes). Muita gente usa o Twitter para comentar televisão, mas esse não é o único tema que você pode comentar lá. Já vi usuários que comentam futebol, outros política, outros música. É só você achar um tema que goste e seguir pessoas que também goste de falar sobre aquilo e interagir com elas (a inciativa tem que partir de você para que elas saibam que você existe). Agora se você usa o Twitter para reclamar da vida, não terá atenção nenhuma. Acho que no começo o Twitter ganhou muitos usuários desse tipo. Lembro que quando eu estava no Ensino Médio muita gente tinha Twitter, e eles usavam para fazer posts de besteiras, para falar coisas da vida ou do dia a dia, que é o tipo de coisa que se faz hoje em dia no Facebook. Ainda antes de acabar o Ensino Médio, muitos deles já nem o usavam mais (até porque foi a época que o Facebook inundou o Brasil e estava começando a se tornar a principal rede social).

No Google+ ainda existe alguma interação, mas somente dentro de comunidades (e olhe lá, porque tem muitas comunidades, que apesar de grandes, são muito paradas. Só tem posts, mas não comentários, e muitas delas com muito spam). As comunidades surgiram no Google+ para tentar chamar a atenção do público órfão do Orkut que gostava das comunidades de lá (apesar que as comunidades das duas são bem diferentes. No Google+ está mais para os grupos do Facebook). Mas, mesmo assim, a interação nas postagens em si, aquelas feitas por pessoas para seus seguidores, não acontecem mais. Quando surgiu o Google+ eu tinha gostado muito, e todos os dias abria e via o que tinha stream. As pessoas mais populares em tecnologia estavam presentes, sempre postavam e sempre tinham vários e vários comentários em suas postagens. Hoje muitas delas deixaram de usar, outras aparecem só de vez em quando, e mesmo assim as suas postagens já não atingem mais aquela quantidade de comentários que tinha antigamente. Antes era bom porque tinha essa interação, mas hoje não tem mais. Eu mesmo não abro mais o Google+ para ver as postagens do stream. Posto alguns links lá, até com certa frequência, mas porque acho que lá é o local mais adequado para compartilhar um artigo sobre algo de tecnologia e fazer comentários sobre isso. No Facebook ninguém liga para isso (não tenho o perfil de postagens comuns do Facebook, mas tento não parecer tão chato assim), e no Twitter nem sempre dá para fazer um comentário maior sobre esse tema. Mas gostar mesmo eu não gosto mais. Google+ já foi muito bom um dia, já foi a minha rede social favorita, mas hoje não mais (hoje gosto bem mais do Twitter por causa da interação que tenho lá). Antigamente eu queria ser popular no Google+ e ter muitos seguires. Hoje consegui, não com o meu perfil (no Google+ de hoje ninguém mais liga para perfil, e sim só para Comunidades e Coleções) e sim com uma coleção de tecnologia. Consegui milhares de seguires, que hoje estão em quase 14.000, e recebo muitos “+1”, mas poucos comentários, pouca interação de verdade. Eu sempre posto minha opinião junto ao link que estou compartilhando, mas ninguém vem me falar se concorda ou discorda. E detalhe é que esses comentários que recebo, na maioria das vezes são spam, pessoas comentando coisas que tem nada a ver com a postagem, ou dizendo “oi”, ou só um monte de letras juntas como “hafuhdu”. Isso é tão desanimador que vou excluir essa coleção e voltar a publicar apenas no meu perfil, mesmo com menos seguidores.

Nesse artigo do Exame Orkut ainda fala que foi pensando nessa falta de interação real das redes sociais, que ele criou a sua nova rede social (que quase ninguém conhece), o Hello (onde agora também existem as comunidades). Enquanto lia o artigo, me lembrava do Orkut e me bateu aquele saudosismo. Aquela foi uma época boa. Eu gostava tanto do Orkut como nunca gostei do Facebook (apesar de hoje eu estar bem mais aberto a usá-lo do que há alguns anos atrás). Então fui acessar o orkut.com para ver no que dava. Pensei que talvez ele redirecionasse para o Google, mas não. Lá tem uma mensagem do Orkut, onde ele fala da antiga rede social, um pouco da sua vida, e da sua visão de como uma rede social deve ser. No final ele apresenta o Hello e convida as pessoas a usarem. O favicon que aparece é o do Google, mostrando que o domínio ainda pertence ao Google. Me surpreende que lhe deixaram usar para ter esse texto publicado e para fazer propaganda da sua nova rede social.

O Hello já está aí faz um tempo mas ainda não conseguiu se tornar popular. Vou até tirar um tempo para testá-lo esses dias (não o fiz ainda porque assim que lançou ouvi muitas críticas à instabilidade do aplicativo). Se ele está conseguindo ou não fazer os seus usuários interagirem de verdade entre si eu não sei, mas mesmo se estiver conseguindo, esse não deve ser um tipo de rede social que deverá fazer muito sucesso, porque parece que as pessoas de hoje em dia não gostam de compartilhar mais nada. É cada um por si. Também têm preguiça de se informar e pensar, e simplesmente saem publicando críticas a tudo e a todos, sem nem ter tanta informação (geralmente só têm uma versão dela ou só uma parte dela) – e ainda se acham críticas e inteligentes. Hoje em dia as pessoas só querem se mostrar e se sentir bem consigo mesmas, com suas vaidades e seus egos. É tudo o que elas querem, é tudo o que elas precisam. E isso é tudo o que as redes sociais proporcionam.

Jóckisan

é pernambucano, e é estudante e blogueiro nas horas vagas. Gosta de estudar, ler livros, assistir a bons filmes e séries. Na internet gosta de ler notícias interessantes, tecnologia e TV. Também escreve no Mundo Geek.
comments powered by Disqus

 

Copyright @ 2011-2015 Fique Sabendo!.